Português (pt-PT)English (United Kingdom)
Entrada Atividades Estaticas
Agrupamento Escolas Afonso de Paiva 

Escola Básica Integrada Afonso Paiva;

Escola Básica do 1º ciclo com Jardim de Infância do Castelo;

Escola Básica do 1º ciclo da Mina;

Escola Básica do 1º ciclo Santiago;

Jardim Infância Quinta das Violetas. 

Agrupamento Escolas Cidade de Castelo Branco 

Escola Básica Integrada com Jardim de Infância Cidade de Castelo Branco;

Escola Básica do 1º ciclo Boa Esperança;

Jardim Infância da Boa Esperança. 

 Agrupamento Escolas João Roiz 

Escola Básica Integrada João Roiz;

Escola Básica do 1º ciclo com Jardim de Infância do Valongo;

Escola Básica do 1º ciclo da Granja.  

Agrupamento Escolas Faria Vasconcelos 

Escola Básica Integrada Dr. Sena Faria Vasconcelos;

Escola Básica do 1º ciclo Nossa Senhora da Piedade;

Escola Básica do 1º ciclo Horta D’Alva;

Escola Básica do 1º ciclo do Cansado. 

Escolas Secundárias

Escola Secundária/3º ciclo Amato Lusitano 

Escola Secundária/3º ciclo Nuno Álvares 

Ensino Profissional

Centro de Formação Profissional de Castelo Branco 

Escola Profissional Agostinho Roseta

Escola Tecnológica e Profissional Albicastrense 

Instituto de Educação Técnica e Seguros   

Ensino Superior

Instituto Politécnico de Castelo Branco 

Escola Superior Agrária

Escola Superior de Artes Aplicadas 

Escola Superior de Educação 

Escola Superior de Tecnologia

Escola Superior de Saúde Doutor Lopes Dias  

 Instituições Particulares de Ensino

Academia O Minorca;

Centro Infantil da Segurança Social nº 1 e nº 2;

Centro Social Padres Redentoristas;

Jardim Infância Dr. Alfredo Mota;

Jardim Infância Santa Casa da Misericórdia nº 1 e nº 2;

Jardim Escola João de Deus;

Jardim Infância O Pimpão;

Jardim Infância O Reguila;

Jardim Infância Obra Santa Zita. 

Segurança Rodoviária 

            PSP 

           Governo Civil 

Media Partners

Transportes em Revista

 

As deslocações casa-escola

As deslocações casa-escola apresentam uma grande importância no conjunto das deslocações que se efectuam nas cidades. Por exemplo, na cidade de Castelo Branco estima-se que estejam envolvidas diariamente cerca de 16000 pessoas, entre pais, alunos, outros familiares e amigos, neste tipo de deslocações, em todos os níveis de ensino. Ou seja, mais de meia cidade está, direta ou indiretamente, envolvida na tomada de decisões sobre a forma como efetuar as deslocações casa-escola.  

Há 20 anos uma parte muito significativa das deslocações casa-escola era efetuada a pé. Com o crescimento das cidades para a periferia, o acesso generalizado ao automóvel e a alteração dos padrões de vida das famílias, o transporte individual motorizado tornou-se o principal modo de deslocação. Contudo, esta utilização generalizada do automóvel tem impactes negativos no ambiente, na economia e na sociedade. Por isso, as deslocações casa-escola constituem um problema inevitável para as cidades que diz respeito a toda comunidade escolar (governo, autarquias, gestão das escolas, pais, alunos e familiares). Todos têm a sua quota de responsabilidade na situação atual e na procura de soluções que promovam padrões de mobilidade mais sustentáveis nas deslocações casa-escola.

As deslocações casa-escola podem ser realizadas de diversas formas. Podemos escolher entre diferentes opções interdependentes, entre modos suaves (a pé, bicicleta, skate, patins e trotineta) e modos motorizados (comboio, automóvel, transportes colectivos, motociclos, ciclomotores) e entre ir sozinho ou acompanhado (pais, familiares, amigos, colegas, etc.). Cada modo de deslocação tem impactes diferentes sobre o funcionamento da cidade, o ambiente em geral e o ambiente urbano em particular (ruído, emissões de gases e partículas que degradam a qualidade do ar), as economias familiares, a saúde física e mental de todos nós, em especial das crianças e dos adolescentes, a socialização, a formação cívica e a cidadania, entre outros.

A escolha do modo de deslocação dos filhos para a escola é uma decisão que cabe em primeira instância aos pais, pelo menos até a uma certa idade, mas os filhos também devem participar. Normalmente, a partir de uma certa idade os filhos impõem a sua vontade. A escola, através dos seus recursos, deve também desempenhar um papel relevante e influenciar as crianças e os adolescentes e os seus pais a escolher os modos de deslocação mais sustentáveis nas deslocações casa-escola.

As decisões sobre os modos de deslocação envolvem fatores de natureza sócio psicológica, onde as questões da distância a percorrer, da segurança, do conforto, do status social, e do comodismo surgem à cabeça. A disponibilidade de meios no local de residência (carro, autocarro, bicicleta, skate, patins) entra em seguida. Poder-se-ão juntar outros factores como o conhecimento de colegas vizinhos a frequentar a mesma escola, entre outros. Frequentemente, é utilizado mais do que um modo de deslocação e ocorrem ajustamentos ao longo do período escolar em função da forma como evoluem os fatores acima referidos, do tempo e clima, etc.

  

IMPACTES DOS DIVERSOS MODOS DE DESLOCAÇÃO

                                                                                  

      NÍVEIS DE RUÍDO - Emissões a 7,5 metros de distânciaPressoSonora Efeitos_Ruido1  

  Consequencias_Ser_Humano_Ambiente2 

                                            ENERGIA1

  

Ocupacao_do_Espaco_Urbano                                                                                                                                                                                                                                                          

 
Parceiros

Entidade Promotora

Entidade Financiadora

Entidades Colaboradoras


  Outros